As praxes académicas, coisas de grunhos armados ao pingarelho

 

Estamos já em pleno tempo do início das aulas nos diversos estabelecimentos escolares deste país, nomeadamente nas Universdades. Nestas são milhares de estudantes que pela primeira vez (os caloiros) vão entrar nesta importante etapa chamada Ensino Superior, supostamente a última antes da entrada no mundo do trabalho. Sabemos que a realidade é bem diferente e a um grande número destes estudantes, quando daqui a meia-dúzia de anos estiverem licenciados, espera-os um mercado de trabalho repleto de desemprego e precaridade onde, de certeza absoluta, não vão encontrar saídas na sua área, na medida do seu (dos pais) investimento académico. Com um pouco de sorte serão encaixados como caixas de supermercados ou a fazer uns biscates temporários em funções menores. É esta a realidade do nosso Ensino Superior: Alimentar um desemprego qualificado.


Com o arranque das aulas para milhares de caloiros, começa também uma das coisas mais estúpidas e sem sentido que é a treta das praxes, um conjunto de procedimentos onde algumas equipas de grunhos armados ao pingarelho usam e abusam de supostas tradições académicas para, igualmente usarem e abusarem de pessoas, física e psicologicamente. Não se compreende que um Governo dito progressista, que legitima o aborto e pretende legitimar o casamento homossexual, ainda não tenha tido a coragem de erradicar de vez com estes procedimentos inquisitórios perpretados por grupos de grunhos e marginais. Estes praxantes na generalidade são pessoas que fazem da sua permanência nas Universidades um modo de vida prolongado e alimentado por papás endinheirados, metidos nos copos, com baixas notas e uma carrada de cadeiras por completar. São, regra geral, gente sem escrúpulos que teima em fazer a vida negra a quem pretende iniciar uma nova vida, já por si cheia de dificuldades. Por sua vez, as associações de estudantes quase sempre dominadas por grupinhos de interesses e preocupadas em meter a mão à massa dos caloiros, que arrebanham logo no dia das matrículas,  pactuam indiferentes com estas merdas, sem oferecer aos caloiros qualquer protecção.


Veja-se os últimos casos de puro abuso e humilhação de alguns estudantes, que chegaram já aos tribunais, merecendo até condenação. É certo que algumas reitorias, depois da carta ameaçadora do ministro Mariano Gago, em 2008, têm já tomado medidas para impedir certos abusos mas estes quase sempre continuam, se não nas instalações das faculdades, nas imediações.

O Governo e a sociedade em geral deveriam repudiar e terminar com estas palermices, com contornos de criminalidade, que por vezes levam a consequências dramáticas como depressões que põem em risco o percurso e sucesso escolar.
Dizem que essas merdas, esses procedimentos iniciáticos servem, afinal, para ajudar a integração dos caloiros Tretas. Se os querem ajudar nesse sentido e contexto, que comecem por os respeitar.

As praxes deveriam assim ser apenas baseadas no respeito e na entreajuda e partilha de conhecimentos e experiências e nunca em procedimentos humilhatórios,  desprestigiantes e lesivos,  próprios de anormais e deficientes, porque se há alunos mais fortes e que alinham nessas “brincadeiras” ou anormalidades, outros há que não aguentam tais pressões, indo-se abaixo, refugiando-se em choro e depressões, ficando desde logo traumatizados numa etapa de vida que deveria ser fundamental para o resto do crescimento e amadurecimento mas de forma saudável.

As próprias universidades, para além de meros despachos, que por vezes só servem para lhes limpar o cu, deveriam fazer valer o cumprimento das regras da anti-praxe e ela própria proteger quem se declara anti-praxe, não permitindo qualquer tipo de marginalização e ostracismo que conduzam a uma perda ou diminuição dos direitos plenos de estudantes, caloiros ou não. Quanto aos grunhos deveriam ser entregues à justiça e expulsos da Universidade.

Outros artigos:

tecnologia, informática, internet, programas, aplicativos, software, open source, programas livres, freeware, linux, windows, firefox, internet explorer, artigos, análises, notícias, autocad, cad, rotinas, rotinas lisp, lisp, autolisp, intellicad, vídeo, youtube, áudio, mp3, jpg, bmp, gif, pmg, gimp, inkscape, xn view, photofiltre, google, gmail, converter, conversores, editores, host, downloads, p2p, gexo, porntube, redtube, xnxx, mediacoder, 7zip, nvu, blender, programação, programar, php, perl, asp, html, xml, office, mysql, easyphp, gnu, gpl, c, c++, css, web design, tutorial, tutoriais, manual, how to, truques e dicas, truques, scribus, notepad++, pidgin, messenger, mac, mozilla, mplayer, wma, vorbis